Pular para o conteúdo principal

Não dá pra entender como ainda tem gente que defende o machismo do Galo

A principal polêmica que circulou na minha timeline no dia de hoje foi o lançamento dos uniformes do Atlético para a temporada de 2016. O ponto que motivou mais discussões foi a forma machista como os uniformes foram apresentados: por modelos com pouca ou muito pouca roupa.



Parece inconcebível que em 2016 uma empresa se sujeite a esse tipo de postura. É um tipo de publicidade que é combatido e considerado ultrapassado por quem tem o mínimo de consciência, mas mesmo assim deve trazer bons resultados - vide as propagandas de cerveja sempre protagonizadas por mulheres seminuas que continuam sendo divulgadas. No fundo, a maior parte do público do futebol em geral parece tratar isso com naturalidade - o que é muito triste.

Percebi que a polêmica estava no ar quando recebi em um grupo de amigos no WhatsApp chacotas vindas de cruzeirenses sobre o fato "dos atleticanos não gostarem das mulheres". Na minha inocência de acreditar que ao menos no meu círculo de amigos as pessoas teriam um senso mínimo de respeito, joguei no ar a pergunta:

"Sério que vocês acham isso realmente engraçado ou só estão fingindo de bobos?"

A minha surpresa maior foi a série de respostas que recebi, tanto de atleticanos quanto de cruzeirenses. Cada resposta tinha pelo menos uma dessas características: machismo, homofobia e misoginia. Vou poupá-los dessas respostas, pois elas foram enviadas em um grupo privado. Mas posso colocar alguns exemplos publicados abertamente no Facebook e Twitter para dar uma ideia de como está se comportando o "torcedor médio".




As postagens acima foram recortadas de um evento do Facebook criado para um protesto organizado por atleticanas, mas cancelado.

Uma busca por "Galo" no Twitter também revelou alguns tweets que me ajudam a perder a fé na humanidade:






Convenhamos, o futebol é um esporte extremamente machista. Quem vai ao estádio vê isso muito bem, seja nos xingamentos que as bandeirinhas e juízas ouvem, seja nos cantos de torcida que nunca exaltam o próprio time, apenas "ofendem" o adversário com letras machistas e homofóbicas. Sem contar as olhadas desrespeitosas e as cantadas que as torcedoras ouvem. Crescemos ouvindo que futebol não é coisa de mulher e as que gostam do esporte acabam sofrendo preconceito. Por todos esses motivos, a realização de um evento de marketing como esse não me surpreende em nada. O machismo no futebol não está apenas no lançamento de uma nova linha de uniformes, está por toda parte. Parece que o mundo ainda não está pronto.


Felizmente, há muitas mulheres e homens que acreditam que isso é um problema real, e se manifestaram de forma a mostrar isso para o resto do mundo. A discussão que surgiu nessa semana está longe de resolver o problema, mas já é um ótimo começo.

Dificilmente a postura dos times e torcedores mudará a curto prazo (o Atlético-MG, veja só que vergonha, ao invés de soltar uma nota oficial com pedido de desculpas, ressaltou que não houve machismo no desfile). No entanto, cada passo dado em busca de um mundo mais igualitário tem seu valor e essa polêmica certamente fez algumas pessoas reavaliarem suas posturas. A gente muda o mundo de pouquinho em pouquinho. Até lá, vamos nos decepcionando com o ser humano, mas sem deixar de acreditar que o futuro pode ser melhor.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet

Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar …