Pular para o conteúdo principal

Herói - a história da revista que inspirou uma geração (a minha)



De 1995 a 2002 fui um leitor assíduo da revista Herói. A revista foi um fenômeno na época em que os Cavaleiros do Zodíaco faziam sucesso na TV e chegou a vender 12 milhões de exemplares no período de um ano.

Ainda hoje, a Herói sobrevive na forma de site (heroi.com.br), mas sem o mesmo impacto dos tempos da edição impressa. Vinte anos atrás, quando a internet ainda engatinhava, a Herói era a principal fonte de informação sobre cultura pop que tínhamos acesso. Hoje temos inúmeros sites e as bancas de revista não tem mais a mesma relevância.



Contar a história da revista Herói é contar um pouco da minha história também. Boa parte dos quadrinhos, livros, filmes, seriados e jogos que consumi no período em que a revista existiu, de uma forma ou outra acabavam aparecendo na publicação. Por esse motivo, fiquei super empolgado quando vi a campanha de crowdfunding que fizeram para a produção de um livro sobre a história da Herói.

Colaborei com a campanha na hora e fui entrevistado para o livro. A página da minha entrevista está reproduzida abaixo:


Quem acompanhou a revista vai adorar ler os detalhes da produção, os depoimentos da redação e fatos que como leitores nunca ficaríamos sabendo. Visualmente, o livro não ficou legal quanto a revista, deu a impressão de que a pressa para a produção prejudicou um pouco um trabalho. Pela qualidade do conteúdo, no entanto, dá pra relevar esse detalhe. Ler o livro da Herói só traz boas lembranças. É um material que certamente irei revisitar de tempos em tempos, como se tivesse pegando um álbum de fotografias para relembrar momentos importantes da vida.

O livro da Herói está à venda no site da Popster por 35 reais.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…