Pular para o conteúdo principal

Não vamos ser corruptos. Não vamos comprar ingressos de cambistas. Não vamos nos tornar cambistas.


Na última semana procurei por ingressos para o show do Maroon 5 em Belo Horizonte e não encontrei nenhuma pessoa honesta vendendo. Pra muita gente parece normal cobrar um pouco mais que o preço de venda para repassar um ingresso de um evento que desistiu de ir, mas não é. Além de ser crime contra a economia popular é uma bruta sacanagem com quem não conseguiu comprar os ingressos com antecedência.

Não compro ingressos de cambistas de forma alguma. Nem se estiver mais barato que na bilheteria. E uma pessoa que está vendendo um único ingresso, se estiver tendo lucro, pra mim também é cambista.

É muito incoerente o fato de que, em um país que cada vez mais se discute sobre a ética e corrupção na esfera pública, as pessoas tratem com naturalidade comprarem de cambistas e se tornarem um deles.

Há pouco menos de dois anos, publiquei um texto no Move That Jukebox sobre o assunto, e acho que seu assunto ainda hoje é muito atual. Confira a reprodução abaixo:

Compro e vendo ingresso. Compro e vendo ingresso.
(publicado originalmente em 08/08/2014, no Move That Jukebox)

Imagine essa situação: aquela banda da qual você tanto gosta, mas que nunca veio ao Brasil, finalmente confirma um show na sua cidade, mas os ingressos se esgotam quase que instantaneamente – e você fica sem o seu. A primeira sensação é de tristeza, pois a banda realmente mora no seu coração e vê-la ao vivo seria a realização de um sonho antigo.

No dia do show você vai até a porta do local e encontra inúmeros cambistas vendendo o ingresso por um valor equivalente ao dobro do preço da bilheteria. Você vai realizar o seu sonho e comprar o desejado ingresso da mão de um cambista, pelo dobro do preço pelo qual você pagaria se eles não tivessem se esgotado?


Agora vamos pensar em uma variação da situação anterior: agora os ingressos não se esgotaram, e você facilmente conseguirá comprá-los na bilheteria no dia do evento.

Só que ao chegar ao local do show, você se vê circundado por cambistas vendendo as entradas pela metade do preço da bilheteria. Como os ingressos não se esgotaram dessa vez, eles querem se livrar deles para o prejuízo ser menor. E aí, você compra o ingresso com desconto dos cambistas ou paga o preço total na bilheteria?

Por mais que pareçam situações quase que inversas, a minha postura em ambos os casos seria a mesma: não comprar do cambista, mesmo que isso signifique que eu não veja minha banda favorita, ou que economize menos dinheiro do que poderia. E isso não é falta de amor próprio. Comprando de um cambista, eu estaria sendo conivente com uma prática ilegal que prejudica muita gente ao troco do lucro de meia dúzia de pessoas.


Pense na situação dos ingressos esgotados: cambistas compram boa parte dos ingressos disponíveis, impedindo várias pessoas de adquirirem os seus legalmente. Para cada ingresso na mão de um cambista existe uma pessoa que queria fazer a coisa certa e foi impedida. Ao comprar de um cambista, essas mesmas pessoas acabam pagando um valor acima do preço do ingresso para o lucro dos (em parte) responsáveis pelo esgotamento dos ingressos. É meio contraditório você deliberadamente dar dinheiro para alguém que intencionalmente te prejudicou.

Já a situação do cambista tendo que vender seus ingressos com prejuízo, em um primeiro momento pode até parecer interessante, só que ao comprar um ingresso nessa situação, você fará com que o cambista perca um pouco menos de dinheiro do que perderia, quando o ideal era que ele perdesse tudo – afinal ele agiu com a intenção de tirar vantagem sobre os outros. De certa forma, é um incentivo para que ele continue com essa prática. E não se esqueça, isso também é ilegal. E veja só: se ninguém comprar ingressos de cambistas, eles não terão para quem vendê-los. Sem mercado, eles provavelmente deixariam de existir.

Parece meio utópico pensar em um mundo em que não haja cambistas – eles estão presentes em todo tipo de evento, em todo tipo de país. O que procuro é fazer a minha parte, e convencer as pessoas a fazer o que eu considero correto. E se você chegou ao final desse texto decidido a nunca mais comprar um ingresso de cambista, o meu objetivo terá sido alcançado.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…