Pular para o conteúdo principal

O triste fim da Livraria Leitura da Savassi

A Livraria Leitura da Savassi, em Belo Horizonte, vai fechar as portas. Há 25 anos em um ponto tradicional, a livraria não resistiu às mudanças do mercado. Fico triste com a situação: tenho ótimas memórias dessa livraria. No entanto, apenas memórias não pagam as contas.

Foto: Cristiano Machado / Hoje em Dia
De acordo com uma reportagem de Tatiana Morais, no Jornal Hoje em Dia, a livraria situada na Avenida Cristóvão Colombo está fechando por um decisão estratégia. A proximidade de outra unidade da rede no Pátio Savassi, aliada ao cenário econômico brasileiro e a diversos outros fatores culminaram em uma queda bastante significativa nas vendas do local.

Sabendo da queima de estoque, corri à Leitura para tentar encontrar algo interessante - e barato. Todos os livros fora da seção de quadrinhos (falo dela daqui a pouco) estavam com 30% de desconto. Acontece que hoje em dia, 30% não é mais o suficiente: as livrarias online possuem preços muito mais competitivos, especialmente a Amazon.com.br. Todos os livros que me interessaram, mesmo com desconto, estavam custando mais do que eu pagaria comprando na multinacional americana.

Fiquei pensando o quanto as lojas virtuais tem sido cruéis com o comércio tradicional. Toda vez que vou à um shopping, costumo passear nas livrarias. Só que elas são pra mim um enorme showroom: passo um bom tempo nelas e na maioria das vezes não compro nada. Na hora de comprar, procuro a loja online que tem o preço mais barato e mando entregar em casa ou compro a versão digital. A Amazon tem uma estratégia muito agressiva: seus livros costumam ter em média 40% de desconto sobre o preço de capa, em alguns momentos chega a descontos ainda maiores. É ótimo para o cliente a curto prazo, mas pode ser muito prejudicial para os concorrentes no futuro.

Conversando com os vendedores da loja, tive notícia que a unidade da Leitura que está fechando teve uma queda de 40% nas vendas (não sei em qual período). Só que o setor de quadrinhos teve um aumento de 60% nos últimos tempos. O estoque desse setor deve ser migrado para a loja do Pátio, mas ocupando um espaço muito menor do que tinha na Savassi. 

Foto: Flávio Tavares / Hoje em Dia

A Leitura se intitula a maior loja de quadrinhos do estado. Não conheço outra maior, então deve ser verdade. A parte de quadrinhos fica em um lugar meio escondido, chamado carinhosamente de "calabouço", e que me recebeu por muitos anos.

Me lembro de quando era criança e nela tive meu primeiro contato com o RPG. Na época não existia internet para o grande público no Brasil (1993, 1994) e a Leitura era um dos meus lugares favoritos quando vinha à Belo Horizonte. Além dos livros de RPG, era o único lugar em que eu conseguia comprar livros de Calvin e Haroldo, cartas de Magic The Gathering e foi onde tive contato pela primeira vez com os livros da série O Senhor dos Anéis

Esse vínculo com a loja foi se perdendo com o tempo: ainda costumo visitá-la pois gosto do ambiente, mas comprar algo lá é bem menos frequente. O motivo principal é o preço - quase nunca competitivo. Na minha última visita saí com os álbuns Graphic MSP Papa-Capim e Ms. Marvel. O preço era o de capa, mas fiz questão de fazer minha (talvez) última compra na loja que tanto frequentei.

O estabelecimento deve fechar no dia 28 de maio (mas essa data pode ser alterada). Quando estiver mais próximo do fechamento, os descontos devem aumentar para 50% - aí sim o preço pode ficar realmente interessante.

Fico muito triste com o fechamento, mas entendo: são negócios, e negócios devem dar lucro. Eu, que fui um cliente fiel por muitos anos, já não comprava tanto na loja e provavelmente a situação deve ter se repetido com muitos outros clientes. O mercado mudou e as coisas não são mais como antes. Infelizmente e felizmente.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…