Pular para o conteúdo principal

Subcelebridades precisam entender que o "sucesso" não dá carta branca para tratarem mal as pessoas

Conhece o MC Menor da VG? Eu não conhecia até o último dia 17, até ter o desprazer de vê-lo no aeroporto uns dias atrás.



Fiquei surpreso ao ver que ele tem mais de 550 mil seguidores no Facebook. É mais que ótimos artistas como Pato Fu, Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz, Cachorro Grande e Nenhum de Nós, por exemplo. Não acho que isso seja um problema, cito esse dado só pra dar uma noção do alcance o rapper tem. A Internet joga na nossa cara o fato de que existe público pra tudo e que existe muita gente que pode ser extremamente famosa em um certo nicho e um grande desconhecido para o resto da população.

A situação que me deixou negativamente impressionado e me fez perder um pouquinho de fé nos rumos da humanidade aconteceu no aeroporto de Guarulhos, no terminal da Azul, enquanto esperava meu voo para Belo Horizonte.

Na fila do Bob's (fila bem grande, esse detalhe é importante) um grupo de pessoas fazendo muito barulho simplesmente ignorou que a fila existia e foi direto ao caixa, na frente de todos que esperavam. A balconista os atendeu e o grupo ignorou as reclamações das pessoas que estavam na fila, como se deve ficar para vivermos bem em sociedade. Como se não bastasse terem furado a fila, enquanto comiam, riam e debochavam de quem estava à sua volta.

Pra mim era só um bando de moleques idiotas fazendo baderna, mas antes de irem embora voltaram ao balcão com uma pilha de CDs que foram distribuídos enquanto diziam a frase "Escuta nóis aí". Uma bela cena que presenciei foi quando colocaram um CD sobre a mesa de uma mulher que tinha reclamado dos fura-filas e ela apenas estendeu o braço até o lixo, onde o disco foi depositado.

Ao irmos embora do Bob's perguntando no balcão quem eram as pessoas, descobrimos se tratar do MC Menor da VG e sua equipe.

Pra piorar, estavam no mesmo voo que eu (voo 2416 de GRU-CNF). Não podia esperar ver nada diferente de muito barulho e falta de educação e foi justamente isso que aconteceu. Reclamaram bastante do avião, fizeram pessoas incomodadas mudarem de lugar, até que chegamos ao destino final.

Nunca ouvi nada que ele canta, nem tenho vontade. Não quero prestigiar o trabalho de alguém que se sente no direito de desprezar o próximo. Fico é triste com os ídolos que as pessoas tem. Alguém com um alcance de público tão grande poderia usar essa popularidade para disseminar coisas boas, ou no mínimo tratar o próximo com respeito.



Comentários

  1. Isso é falta de tomar uns tapas dos pais ausentes que eles tiveram, além do lixo que chamam de música, fico pensando e quando a modinha acabar vai fazer o que?
    Roubar? É acho que será bem isso.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet

Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar …