Pular para o conteúdo principal

Subcelebridades precisam entender que o "sucesso" não dá carta branca para tratarem mal as pessoas

Conhece o MC Menor da VG? Eu não conhecia até o último dia 17, até ter o desprazer de vê-lo no aeroporto uns dias atrás.



Fiquei surpreso ao ver que ele tem mais de 550 mil seguidores no Facebook. É mais que ótimos artistas como Pato Fu, Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz, Cachorro Grande e Nenhum de Nós, por exemplo. Não acho que isso seja um problema, cito esse dado só pra dar uma noção do alcance o rapper tem. A Internet joga na nossa cara o fato de que existe público pra tudo e que existe muita gente que pode ser extremamente famosa em um certo nicho e um grande desconhecido para o resto da população.

A situação que me deixou negativamente impressionado e me fez perder um pouquinho de fé nos rumos da humanidade aconteceu no aeroporto de Guarulhos, no terminal da Azul, enquanto esperava meu voo para Belo Horizonte.

Na fila do Bob's (fila bem grande, esse detalhe é importante) um grupo de pessoas fazendo muito barulho simplesmente ignorou que a fila existia e foi direto ao caixa, na frente de todos que esperavam. A balconista os atendeu e o grupo ignorou as reclamações das pessoas que estavam na fila, como se deve ficar para vivermos bem em sociedade. Como se não bastasse terem furado a fila, enquanto comiam, riam e debochavam de quem estava à sua volta.

Pra mim era só um bando de moleques idiotas fazendo baderna, mas antes de irem embora voltaram ao balcão com uma pilha de CDs que foram distribuídos enquanto diziam a frase "Escuta nóis aí". Uma bela cena que presenciei foi quando colocaram um CD sobre a mesa de uma mulher que tinha reclamado dos fura-filas e ela apenas estendeu o braço até o lixo, onde o disco foi depositado.

Ao irmos embora do Bob's perguntando no balcão quem eram as pessoas, descobrimos se tratar do MC Menor da VG e sua equipe.

Pra piorar, estavam no mesmo voo que eu (voo 2416 de GRU-CNF). Não podia esperar ver nada diferente de muito barulho e falta de educação e foi justamente isso que aconteceu. Reclamaram bastante do avião, fizeram pessoas incomodadas mudarem de lugar, até que chegamos ao destino final.

Nunca ouvi nada que ele canta, nem tenho vontade. Não quero prestigiar o trabalho de alguém que se sente no direito de desprezar o próximo. Fico é triste com os ídolos que as pessoas tem. Alguém com um alcance de público tão grande poderia usar essa popularidade para disseminar coisas boas, ou no mínimo tratar o próximo com respeito.



Comentários

  1. Isso é falta de tomar uns tapas dos pais ausentes que eles tiveram, além do lixo que chamam de música, fico pensando e quando a modinha acabar vai fazer o que?
    Roubar? É acho que será bem isso.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…