Pular para o conteúdo principal

Os erros e acertos de Esquadrão Suicida


Uma das coisas mais legais dos filmes de super heróis pra mim é o envolvimento que tenho antes, durante e depois das exibições nos cinemas. Acompanho a pré-produção, trailers, fico seis horas na fila pra ver um vídeo de 6 minutos na CCXP e depois de vê-los no cinema me perco em discussões e análises por meses. 

Esquadrão Suicida foi um dos filmes que me acompanhou nos últimos meses e minha expectativa era muito alta - até que na pré-estreia o filme que vi não era exatamente o que eu esperava.


Os acertos

Arlequina: a personagem roubou a cena desde os primeiros trailers e no filme não é diferente. Seu visual já é um ícone da cultura pop e a atuação de Margot Robbie é perfeita, no tom certo quando precisa ser séria, louca ou sensual. O carisma de Arlequina deve render um filme solo em breve.

Pistoleiro: Will Smith é um ator espetacular e trouxe profundidade para o personagem. É um dos membros com a história mais interessante dentro do filme.

Amanda Waller: a personagem que representa o governo, interpretada por Viola Davis é convicente. Você consegue sentir que desobedecer qualquer ordem dela é uma má ideia. Além disso, é um exemplo de representatividade: Waller é mulher e negra. E forte.

O visual: cada personagem tem sua identidade visual. Mesmo desconhecidos pelo grande público, ao longo da campanha de marketing conseguiram se tornar conhecidos e amados. Venderam muitas camisetas e miniaturas.

Trilha sonora: com canções atuais, muitas feitas especialmente para o filme, a trilha sonora se encaixa muito bem na trama (cada membro do esquadrão tem sua música) e rendeu um álbum que pode ficar tocando em loop nos seus fones de ouvido por meses. Tem artistas como Skrillex, Imagine Dragons, Twenty One Pilots e Panic! At The Disco.


Os erros

Coringa: não convence, não mete medo e seu papel na história não tem grande importância. Jared Leto conseguiu imprimir sua marca no papel, mas tornou o Coringa um personagem muito diferente do que estávamos acostumados a ver. Acredito que é a única falha grave do filme.

O vilão: o ser mágico que é a grande ameaça do filme não parece ser um oponente ideal para a grande maioria dos membros do esquadrão. Não faz muito sentido chamar vilões como Arlequina, Capitão Bumerangue e Amarra para enfrentar poderes mágicos.

Os cortes e a mudança de tom: os trailers mostraram muitas cenas que não estiveram presentes no filme dos cinemas. A impressão que se tem é que tentaram dar uma amenizada no tom, para que ficasse menos sombrio e mais engraçadinho.

O veredito

Não é um filme ruim como boa parte da crítica tem dito, mas também não é memorável como muitos dos filmes de quadrinhos que tem sido lançados. É um filme nota 7: é acima da média, mas tinha potencial pra muito mais.

Pra efeito de comparação com os outros filmes de heróis lançados em 2016: Esquadrão Suicida é inferior a Batman vs Superman e Guerra Civil, mas supera Deadpool e X-Men e Apocalipse. Vale o ingresso e merece ser visto no cinema.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(Re)instalando o Android 4.1.2 no Samsung Galaxy S3

Atualizado em 18 de maio de 2013

No começo de fevereiro, Samsung Brasil fez a alegria dos proprietários do Galaxy S3 ao liberar mais uma atualização do Android para o aparelho. Conhecida como Premium Suite, a nova versão do firmware tem o Android Jelly Bean 4.1.2 com diversas customizações da fabricante coreana.

Acontece que alguns aparelhos passaram a apresentar inúmeros problemas após essa atualização (o meu entrou nessa lista). Procurei em diversos fóruns e sites a solução, e acabei não encontrando. Apenas constatei que eu não era o único que estava angustiado.

Entre os problemas apresentados após a atualização, estão:

Telefone não carrega a bateria ao plugar na tomada;Aparelho desliga sozinho;Aplicativos travam, forçando o reinício do sistema operacional;Sobreaquecimento;Telefone não recebe dados conectado ao Wi-Fi;Lentidão extrema;Interface TouchWiz sem fluidez;Consumo excessivo de energia. Meu telefone apresentou quase todos esses sintomas. Isso é meio bizarro, pois de uma hora p…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Anderlaine

Meu e-mail é "Gregório underline Fonseca @ Gregório's Corporation ponto com". Sabe onde está o erro? No underline. Na verdade, não existe nenhum e-mail no mundo com underline. Nem o seu.

A origem dessa designação para o símbolo "_" no Brasil é desconhecida. O correto, em inglês, seria underscore. A tradução para o português é "traço baixo". Mas em algum momento da história da humanidade, alguém resolveu chamar o "traço baixo" de underline, e assim o termo se popularizou.

Já experimentou dizer um termo com um underscore no meio? Na maioria das vezes, se a pessoa não faz uma careta de que não está entendendo, ela responde com a pergunta: "Underline, né?" Mas eu insisto em dizer o termo correto. Por mais que possa ser chato pra mim, acho importante ter esse papel educativo.

Underline deve ser usado para se referir ao texto sublinhado, desse jeito, ó!

Apesar disso tudo, acho que essa é uma batalha perdida. É mais um estrangeirismo que …