Pular para o conteúdo principal

Eliminar a tradicional entrada para fones do iPhone não é uma tragédia tão grande quanto parece


Tradicionalmente, as novas versões do iPhone lançadas anualmente não trazem grandes mudanças em relação à versão anterior. São melhorias incrementais que transformam um produto de alta qualidade em um produto melhor ainda.

No entanto, o iPhone 7 trouxe uma mudança que, em um primeiro momento, parece muito radical: a saída para fones de ouvido foi eliminada do aparelho. Para conectar os fones, agora é necessário usar a porta Lightning, a mesma utilizada para carregar o celular. O telefone virá com um adaptador para conexão de fones com o plugue tradicional.

Não é a primeira vez que a Apple elimina de seus produtos algo que era considerado essencial para os usuários. Já foi assim com o floppy disk, com o drive de CD/DVD e com o suporte a Flash, por exemplo. Em todos os casos, acabamos percebendo que não precisávamos disso mesmo e a Apple estava certa.

Como defesa para a decisão da empresa, podemos alegar que quem já usa fones de ouvido e caixas de som com conexão via bluetooth não terá mudança no uso do produto. Outro ponto é que todos os aparelhos virão com o fone de ouvido já no novo formato e que deve ser o único que boa parte dos clientes irá usar durante toda a vida útil do produto. E tem mais um detalhe: a saída lightning permite uma qualidade de áudio melhor que a tradicional P2. Acredito que esses argumentos fazem todo o sentido, e são aplicáveis para a maioria dos consumidores.

Mas há alguns casos críticos. Eu, por exemplo, costumo passar boa parte do dia com o telefone plugado na tomada, carregando, e o fone de ouvido plugado no aparelho. Essa situação será impossível no novo iPhone, pois é necessário optar por usar o fone ou recarregar a bateria. Quem gosta de jogar Pokémon Go na rua com fone de ouvido também vai ter que optar por usar o fone ou recarregar o celular usando seu banco de baterias portátil.

Eu tenho um fone de ouvido com conexão bluetooth, mas não gosto de usá-lo no dia-a-dia. Deixo-o reservado para quando estiver correndo - o uso diário em alta intensidade gera a necessidade de carregá-lo a todo momento e eu não quero ter que me preocupar em carregá-lo todos os dias.

Outro problema é a retrocompatibilidade com fones antigos. Hoje existem fones muito caros e duráveis e quem possui esses fones dificilmente irá trocá-los com frequência. No meu caso, eu uso o meu fone com o smartphone, Xbox, Wii U, Nintendo 3DS, e meu computador. Não faz sentido eu utilizar um padrão que seja incompatível com a maioria dos meus dispositivos. Entendo que o novo iPhone virá com um adaptador, mas convenhamos: é muito chato ter que ficar usando adaptadores.

No entanto, acredito que essas situações acontecem com uma parcela muito pequena dos usuários. O que veremos serão usuários felizes e contentes por terem comprado seus novos iPhones, afinal a Apple é campeã em satisfação do consumidor. Na prática, a maioria do público nem deve sentir a mudança. Nem eu, pois não pretendo trocar o meu smartphone tão cedo. No fundo, é uma mudança corajosa, mas desnecessária. Embora tenha alguns pontos favoráveis e não traga tanto prejuízo, fica difícil dizer que o resultado final foi positivo.

[ATUALIZAÇÃO - 09/09/2016]

Após a publicação desse post no meu perfil no Facebook, surgiram alguns comentários de amigos que considerei muito relevantes para a discussão.

O Valter Coutinho comentou que "faltou só tocar no ponto do ganho financeiro pra empresa em se usar uma conexão proprietária e como a compra da Beats alguns anos atrás já foi pensada pra tornar o produto, fone de ouvido, em algo lucrativo pra empresa. Maior exemplo é o novo fone wireless dela custando 1400 reais no Brasil."

Já o Vital Silva, perguntou se existe um adaptador para que seja possível carregar a bateria e usar o fone de ouvido ao mesmo tempo, e acabou encontrando a notícia de que a Apple vai vender adaptadores para isso. Há um sutileza nisso: a Apple irá VENDER. Ou seja, mais um produto para gerar receita para a empresa. E tem outro agravante: como pode ser visto na figura abaixo, o adaptador fabricado pela Belkin apenas duplica as portas lightning, o que quer dizer que para utilizar um fone tradicional você terá que utilizar outro adaptador.


Pensando nessa situação, imaginei como seria usar o telefone com tantos adaptadores. Acho que ficaria mais ou menos como a figura abaixo:


[ATUALIZAÇÃO - 10/09/2016]

O Valter Félix fez um comentário que depõe contra o argumento de que a saída lightning permite uma qualidade de som melhor. Apesar de não termos informações precisas, vale a pena levar esse comentário em consideração: "Você falou no post que a saída lighting permite uma qualidade maior que a P2. Acho que isso seria verdade se a informação na saída fosse digital (e logo o dac estivesse no fone). Como não é o caso, acredito que a Apple vai simplesmente usar dois pinos no conector para transmitir o sinal analógico de áudio para o fone, ou seja, mesma coisa do conector P2.
Pode ser que tenha uma proteção maior contra ruídos, não sei, mas mesmo assim a variação perceptível de qualidade sonora vai estar no fone."

Comentários

  1. Quando eu usava o iPhone, uma coisa muito bacana e que não encontrava um similar no Android era o simulador de efeitos de guitarra. Você pegava um pequeno conector, um dos mais famosos era o iRig, onde você ligava a guitarra ao iPhone e poderia usar os efeitos de pedaleira. Quem tem o iRig, terá que usar o adaptador (se funcionar) pra usar o aplicativo. Mas enfim, passei pro Android de qualquer forma, nem vai influenciar muito pra mim.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…