Pular para o conteúdo principal

Supermax (ou como o Netflix está mudando a forma da Globo fazer TV)


A Rede Globo acabou de estrear a série Supermax na sua grade de programação. O que nem todo mundo sabe é que desde o fim da semana passada, os primeiros onze episódios da série já estavam disponíveis para os assinantes do Globo Play, o serviço de streaming da emissora. É praticamente o que o Netflix faz com suas séries, com a diferença que o último episódio não foi disponibilizado (e deve ser guardado para que a série se encerre na TV e na internet ao mesmo tempo).

Desde o lançamento dessa plataforma, eu me perguntava se alguém pagaria uma assinatura para ter acesso à programação distribuída gratuitamente em um canal aberto. A resposta veio mais fácil do que eu esperava: assim que descobri que Supermax estava disponível, foram menos de 24 horas até eu me tornar um assinante. Se eu, que quase nunca assisto TV, me interessei, a Globo deve ter ganhado muitos clientes no país. (Uma dica: eu realmente estava disposto a pagar os 15 reais da mensalidade, mas ao abrir o aplicativo na minha TV Samsung, descobri que eu tinha direito a quatro meses gratuitos, graças a uma parceria com a fabricante coreana. Caso tenha uma Smart TV da Samsung, confira se você é elegível à promoção).

Supermax me instigou a curiosidade na última Comicon Experience, quando a Globo fez um painel no evento sobre a série. Confesso que não vi o painel, mas o fato da emissora estar presente em um evento de cultura pop foi o suficiente para que eu procurasse mais informações sobre a produção. Quando descobri que o escritor Raphael Draccon era um dos roteiristas, fiquei ainda mais interessado e aguardei ansiosamente a estreia da série.



Supermax é o nome de um reality show que acontece dentro de uma prisão de segurança máxima. O primeiro episódio tem uma estrutura muito parecida com o início do Big Brother Brasil, com a apresentação das regras e dos participantes, e o Pedro Bial (sim, ele mesmo) como mestre de cerimônias. Esse episódio tem um tom muito diferente dos episódios seguintes, mas creio que isso é necessário para a ambientação do público da Globo. Caso você veja o primeira episódio e ache que está com muita cara de BBB, não desista, a partir do segundo, que começa a traçar melhor as relações entre os participantes, a situação melhora e a qualidade só aumenta.

A série engrena de verdade no terceiro episódio, com várias intrigas e situações inexplicáveis (ao menos até o momento). Estou no sexto (que me deixou embasbacado) e cada episódio tem superado o anterior. Fico pensando e criando teorias para tentar desvendar os mistérios e saber o que realmente está acontecendo.

É muito interessante ver a Globo apresentando temas incomuns à sua programação de forma tão aberta, em alguns casos de forma explícita: pedofilia, satanismo, crimes bárbaros, tortura, esquartejamento, uso de drogas pesadas, (muito) sangue, vômitos, violência e sérias discussões sobre vida, morte e sobrevivência. Supermax é uma série de terror. Tem criaturas e eventos sobrenaturais (ou será que não são?). Em entrevista ao Omelete, Raphael Draccon menciona que "não acredita que eles vão colocar no ar tudo que foi pensado".

Os efeitos especiais nem sempre são naturais, mas são bons o suficiente e superam muito do que é visto na TV. A Globo tem algumas apostas em computação gráfica muito questionáveis como a mesa tática usada nas transmissões esportivas e, mas em Supermax os efeitos cumprem bem seu papel e superam o que normalmente é visto nas produções nacionais. A maquiagem é caprichada e alguns ferimentos chegam a ter enjoo pela sensação de realidade transmitida.


Essa é a primeira grande aposta da Globo na distribuição de conteúdo pela internet e certamente o seu resultado deve influenciar a estratégia da emissora para o futuro. Há mais de uma década eu não acompanhava uma produção de teledramaturgia da emissora e provavelmente há muito gente como eu que só virou os olhos para a Globo agora. Isso é um ótimo sinal. Torço para a longevidade da série (se o seu final der abertura para isso) e para que mais projetos assim ganhem espaço.

O site da série ignora, de certa forma, o fato de que os episódios já estão disponíveis e fala muito sobre o episódio atual. Natural, pois a maioria do público provavelmente está acompanhando Supermax pela TV.

E tem mais uma coisa que parece boba, mas me trouxe uma sensação boa: adorei o fato de estar vendo um série de terror e os atores estarem falando português. Pra quem prefere a interpretação original à dublagem, ver uma trama assim desenvolvida em português foi uma alegria.

A série foi uma surpresa muito positiva, recomendo fortemente que assistam. E se não quiserem esperar uma semana pra ver cada episódio, a mensalidade do Globo Play custa menos que um ingresso de cinema.

Estou muito feliz com o resultado e envolvido com a trama. Terminando esse texto vou ali assistir mais um episódio. Só não sei se consigo esperar pra ver o último em dezembro! (Acho que seria fantástico se a Globo fizesse o lançamento do episódio em uma transmissão na próxima edição da Comicon Experience).

Supermax é transmitido toda terça às 23:30 ou a qualquer momento pelo Globo Play.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…