Pular para o conteúdo principal

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet



Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar por informações e verificar se aquilo que vocês está recebendo realmente é uma informação verdadeira. Uma boa pesquisa no Google te leva às respostas em uma velocidade tão rápida quanto repassar algo.

Na minha vivência de internet, eu identifiquei um padrão que enuncio como A REGRA BÁSICA PARA VERIFICAR SE ALGO É VERDADE NA INTERNET. Eu pensei na regra, não pensei no nome, então se você tiver alguma sugestão para nomeá-la eu posso levar em consideração. Ela é simples, fácil de memorizar, e na grande maioria das vezes em que aplico, ela está correta. Na verdade, não me lembro dela estar errada em um passado recente (a não ser nas exceções mencionadas a seguir). Tento disseminá-la, mas às vezes parece que as pessoas não levam a sério. E, embora possa parecer uma piada, ELA É MUITO SÉRIA E VERDADEIRA.

Pois bem, para verificar se algo é verdade na internet, basta observar se o texto tem a palavra REPASSE, COMPARTILHE ou qualquer outra variação desses termos. Se existe um estímulo para que você repasse a mensagem, não precisa nem fazer esforço em acreditar nela. Vai ser sempre mentira.

A base do compartilhamento deve ser a espontaneidade. Se alguém acredita que algo é relevante e deve ser repassado, a pessoa divulga a publicação. Quando é a própria publicação que tenta forçar um incentivo ao compartilhamento, fique atento porque deve ter algo errado.

Há algumas exceções pontuais como publicações onde há pedidos de doação de sangue ou busca por pessoas desaparecidas, por exemplo. Ainda assim, é preciso ficar atento: ontem mesmo recebi uma mensagem à procura de uma garota que já tinha sido encontrada: compartilhamentos infinitos podem resultar em uma pessoa "perdida pra sempre".

E é preciso tomar cuidado: há pessoas mal intencionadas que abusando da boa fé dos usuários, espalham calúnias que podem trazer consequências desastrosas para a vida de uma pessoa, como o caso do rapaz que teve uma foto divulgada onde era acusado de ser estuprador.

Um site que sugiro visitarem é o e-Farsas. Com quase quinze anos de história, o site se propõe a desvendar rumores que surgem na internet. É uma boa fonte de pesquisa caso a publicação não se enquadre na regra mencionada acima, mas ainda assim você questione a veracidade da mensagem.

Então lembre-se: nunca compartilhe nada que tenha "repasse" ou "compartilhe" no texto. É o jeito mais simples de não colaborar com a disseminação de boatos, mentiras e pegadinhas.


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…