Pular para o conteúdo principal

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet



Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar por informações e verificar se aquilo que vocês está recebendo realmente é uma informação verdadeira. Uma boa pesquisa no Google te leva às respostas em uma velocidade tão rápida quanto repassar algo.

Na minha vivência de internet, eu identifiquei um padrão que enuncio como A REGRA BÁSICA PARA VERIFICAR SE ALGO É VERDADE NA INTERNET. Eu pensei na regra, não pensei no nome, então se você tiver alguma sugestão para nomeá-la eu posso levar em consideração. Ela é simples, fácil de memorizar, e na grande maioria das vezes em que aplico, ela está correta. Na verdade, não me lembro dela estar errada em um passado recente (a não ser nas exceções mencionadas a seguir). Tento disseminá-la, mas às vezes parece que as pessoas não levam a sério. E, embora possa parecer uma piada, ELA É MUITO SÉRIA E VERDADEIRA.

Pois bem, para verificar se algo é verdade na internet, basta observar se o texto tem a palavra REPASSE, COMPARTILHE ou qualquer outra variação desses termos. Se existe um estímulo para que você repasse a mensagem, não precisa nem fazer esforço em acreditar nela. Vai ser sempre mentira.

A base do compartilhamento deve ser a espontaneidade. Se alguém acredita que algo é relevante e deve ser repassado, a pessoa divulga a publicação. Quando é a própria publicação que tenta forçar um incentivo ao compartilhamento, fique atento porque deve ter algo errado.

Há algumas exceções pontuais como publicações onde há pedidos de doação de sangue ou busca por pessoas desaparecidas, por exemplo. Ainda assim, é preciso ficar atento: ontem mesmo recebi uma mensagem à procura de uma garota que já tinha sido encontrada: compartilhamentos infinitos podem resultar em uma pessoa "perdida pra sempre".

E é preciso tomar cuidado: há pessoas mal intencionadas que abusando da boa fé dos usuários, espalham calúnias que podem trazer consequências desastrosas para a vida de uma pessoa, como o caso do rapaz que teve uma foto divulgada onde era acusado de ser estuprador.

Um site que sugiro visitarem é o e-Farsas. Com quase quinze anos de história, o site se propõe a desvendar rumores que surgem na internet. É uma boa fonte de pesquisa caso a publicação não se enquadre na regra mencionada acima, mas ainda assim você questione a veracidade da mensagem.

Então lembre-se: nunca compartilhe nada que tenha "repasse" ou "compartilhe" no texto. É o jeito mais simples de não colaborar com a disseminação de boatos, mentiras e pegadinhas.


Comentários

  1. O pessoal não aprende!

    ResponderExcluir
  2. Anônimo11:56 AM

    Me prova que nao tinha punhal dentro do fofão!!

    ResponderExcluir
  3. Essa regra que você criou é muito boa, repassem galera!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…