Pular para o conteúdo principal

É triste admitir, mas desisti das revistas de papel



Desde criança, um dos meus passatempos preferidos sempre foi ler revistas. Visitar bancas de revistas repetidamente ao longo de cada dia era um passatempo frequente, e eu acreditava que na minha aposentadoria eu seria dono de uma banca. Só que eu acho que até lá, dificilmente teremos mais estabelecimentos como esse.

Em determinados momentos da minha vida, cheguei a receber mais de 20 revistas a cada mês em minha casa - e lia todas elas, da primeira à última página. Hoje não recebo mais nenhuma e as poucas assinaturas que tenho são digitais.

Esse processo de abandono de revistas não aconteceu de uma hora para outra. Aos poucos, fui abandonando publicações que já não eram tão interessantes e dando preferência à versão digital, quando disponível. Em outros casos, as revistas deixaram de ser publicadas (como a Info e a Billboard, por exemplo).

Até que no final do ano passado, ao invés de receber dezenas de revistas eu só tinha as assinaturas digitais da Wired e da Mundo dos Super-Heróis, e a impressas da Rolling Stone e da Nintendo World. Só que aconteceu um fenômeno inesperado: as editoras das revistas impressas não me procuraram para realizar a renovação das assinaturas. Eu queria continuar tendo acesso ao material, mas parece que eles desistiram de mim.

Até tentei ler as duas publicações em versão digital pelo Iba (que é uma espécie de Netflix das revistas), só que o fato de não poder ler as revistas sem uma conexão com a internet (mesmo se estiverem baixadas no tablet) me fez desistir de pagar pelo serviço e, consequentemente, deixar de ter acesso às publicações.

Foi então que percebi que continuei me informando por outras fontes e as revistas não me fizeram falta. O formato está obsoleto e, por mais que eu tenha uma identificação afetiva com o papel grampeado, ele não é essencial. O que importa é o conteúdo, independentemente da forma como ele é consumido. As revistas estão tendo uma morte lenta e parece que os leitores não estão sentindo falta delas. E eu não consigo ver nenhum movimento contrário a isso, por mais que isso possa ser triste e decepcionante (pra mim, inclusive).



Hoje é raro (só digo que pois não posso afirmar categoricamente que isso não acontece) vermos novas revistas se aventurarem com sucesso nas bancas, ao passo que cancelamentos de publicações são cada vez mais frequentes.

E por mais que as editoras tentem se focar no meio digital, o público brasileiro ainda tem resistência de pagar por conteúdo desse tipo: em uma visita à banca da Play Store, é possível notar que a maior parte das reclamações é que a revista digital tem o mesmo preço da impressa e na concepção dos reclamantes deveria custar menos. Existe a mentalidade de que se paga pelo papel, e não pelo conteúdo. De qualquer forma, o sucesso de plataformas de assinatura como o Spotify e a Netflix no Brasil são um sinal de que as pessoas podem vir a pagar por revistas digitais em algum momento.

A única assinatura que sobreviveu foi a da versão digital da revista Mundo dos Super-Heróis. Acabei participando da campanha de financiamento recorrente da revista Dragão Brasil que, depois de 10 anos longe das bancas, voltou a ser publicada apenas em formato digital.

Ainda visito frequentemente as páginas na internet das revistas que abandonei como Rolling Stone, Nintendo World, Época e Wired, por exemplo. É triste admitir, mas desisti das revistas de papel...

P.S. 1: Revistas em quadrinhos não estão incluídas no escopo desse texto!

P.S. 2: Eu continuo comprando revistas em quadrinhos, mas na maioria das vezes não é em bancas. Lojas online como a Amazon e a FNAC costumam ter preço muito mais competitivos. Além disso, acesso quadrinhos em formato digital pelo Comixology e Social Comics.


Comentários

  1. Só não desisti das revistas em papel porque empresto-as a meus pais. No caso, por "revistas" leia-se "SuperInteressante", que de um ou dois anos pra cá voltou a ter um conteúdo que faz jus ao nome. Compro ocasionalmente a concorrente Galileu, mas como essa não faz sucesso com os progenitores, estou em processo de digitalização dessa leitura.
    Revistas que assinava antigamente como Placar ou a inglesa World Soccer já foram largadas, por serem um conteúdo sempre datado, mesmo no digital. Já os quadrinhos, ainda leio minhas Disney em papel, não consigo me desapegar delas ainda.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…