Pular para o conteúdo principal

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas do dia a dia.
Gastei esse montante somando tudo que paguei de combustível, estacionamento, seguro, IPVA, revisão, manutenção e limpeza do carro. Na média, são R$901,47 por mês que você vê saindo direto da sua conta bancária.

R$5.703,00 de depreciação
Pelos valores da tabela FIPE, o meu carro vale quase seis mil reais a menos do que paguei. Na prática, se eu vendê-lo por um valor menor que o da tabela, o gasto fica ainda maior.

R$9.463,53 de renda potencial perdida
Caso eu tivesse deixado o dinheiro que paguei no carro na poupança, que tem um rendimento baixíssimo, ele teria rendido quase dez mil reais no período. Comprei o carro à vista, eu tinha o dinheiro para aplicar. E se eu tivesse financiado parte do pagamento, certamente o gasto seria maior. O valor foi calculado utilizando os dados reais de correção da poupança no período de maio de 2014 a dezembro de 2016.

Tudo isso dá um total de R$42.210,67. São R$1407,02 por mês, ou R$46,90 por dia.

Ao comprar um carro, é muito importante ter mente qual é seu custo real. Muita gente acaba enxergando apenas as despesas do dia a dia, quando na prática elas representam 64% do total. O "custo invísivel" é muito representativo, e é preciso levá-lo em consideração para tomar a decisão mais interessante.

A pergunta que fica é: valeu a pena? Considerando o local que moro e os deslocamentos que tenho que fazer diariamente, sim. Para ter um conforto equivalente eu teria que morar a menos de 10 km do trabalho e utilizar Uber, Táxi ou Cabify. Naturalmente, utilizar ônibus seria uma alternativa em que eu pagaria o transporte com menos dinheiro, mas com mais tempo. E eu acho o tempo mais precioso.



Comentários

  1. Morando a menos de 10km do trabalho, a bicicleta seria também uma opção, mesmo numa BH com fama de ter muitos morros. (Sim, meu lado ciclochato me obriga a fazer esse comentário. Eu sei, eu sei.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bicicleta em São Paulo é tranquilo (dá até pra carregar no metrô), mas em BH tem que ser atleta pra conseguir enfrentar tantos morros.

      Excluir
  2. Problema da bike em BH nem são os morros.. com tempo você acostuma.. o problema são os motoristas sem educação mesmo..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com a falta de educação dos motoristas a gente sofre estando de carro, a pé, de ônibus, de bicicleta...

      Excluir
  3. Tem trajeto ou situação que um transporte é melhor que outro e isso inclui bike, mas, de maneira geral, o único problema que já tive ao andar de bicicleta em BH é a falta de educação de motorista, todo o resto é contornável.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo6:20 PM

    Bom , então já sei menos de 10km se tiver grana Uber . Gostaria de saber o cálculo do tempo, para saber senão compensa o onibus , só durmo 6 h por dia , talvez pra mim compense o bus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pensando em dinheiro, o ônibus só deve perder para a bicicleta. A questão realmente é o tempo - pra muita gente vale a pena pagar mais para não demorar tanto no trajeto.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…