Pular para o conteúdo principal

"Rogue One: uma história Star Wars" é o melhor filme do ano que não assisti


Eu sou muito empolgado com filmes de cultura pop (super-heróis, ficção científica, fantasia etc). Passo muito mais tempo lendo, assistindo vídeos, acompanhando a produção e o pós-lançamento que efetivamente assistindo o filme no cinema. Imagine só minha tristeza quando um filme assim não corresponde às minhas expectativas...

Só que na prática eu acho que meu cérebro se programa para que eu goste de tudo, mesmo que inconscientemente. É bem raro eu sair muito insatisfeito desses filmes (embora aconteça eventualmente). Normalmente eu já gostei do filme antes de começar a vê-lo.

Aí que mora o perigo: sabendo da minha predisposição para gostar de tudo e com medo de tomar spoilers, evito ter acesso às críticas do filme antes de formar minha opinião. No entanto, não consegui fugir das manchetes que pululavam nos meus feeds nas redes sociais. E parece ser um consenso que o filme é excelente, tem gente arriscando dizer que é o melhor filme da série.

Eu acho que existem muitos aspectos que são levados em conta para alguém classificar algo como "o melhor" e eu sou uma pessoa que já teve a sensação de que o Episódio I era o melhor Star Wars. E no contexto em que eu estava envolvido, realmente ele foi fantástico. Conto essa história aqui, cliquem se quiserem saber mais detalhes.

Quinta-feira eu vou ao cinema ver "Rogue One: uma história Star Wars" com um sorriso no rosto. Quero sair da sessão com um sorriso maior ainda. Torçam por mim.

P.S.: Meu nível de empolgação chegou ao ponto de me fazer comprar uma estatueta do droide K2SO, que só conheço pelos trailers. Se ele for um personagem ruim, ao menos é uma estatueta bonita.

Da esquerda para a direita, K2SO, ET, Rey, BB-8, Lif (Navio Dragão) e um pedacinho da Chandra na minha cristaleira que não tem cristais.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…