Pular para o conteúdo principal

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******

O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila tenha um preço mais alto que a da última. Isso acontece em shows, teatros, esportes e todo tipo de atração às quais as pessoas assistem sentados.

Mas a pista premium é uma aberração. Na pista de um show, as pessoas andam e se movimentam, e se acumulam em uma densidade demográfica inversamente proporcional à distância do palco. Como a distribuição do público não é uniforme, sobra muito espaço no fundo da pista. Um abismo. Depois dessa lacuna, geralmente fica boa parte dos maiores fãs da banda em questão. Muitos deles podem ter dormido na fila ou chegaram bem cedo justamente para garantir um lugar lá na frente. Só que entre o público e o palco, por vezes rola um enorme espaço vazio, povoado por meia dúzias de pessoas que podem nem estar tão interessadas assim pelo show, mas que garantiram o ingresso da pista premium sabe-se lá por que. Anti-clímax total. Mas, obviamente, isso não é regra, e há também pistas VIPs lotadas de verdadeiros fãs do artista.

Já fiquei colado na grade da pista comum, separado do palco por uma barreira de “nada”, e é desolador. Imagino que deve ser muito frustrante para as bandas ver esses buracos assim. Pensando como empresário, não há muito o que reclamar. O investimento para a criação de uma pista premium é só na barreira que a divide do “povão” e nos seguranças que vão ficar no meio do caminho. Considerando que o preço do ingresso é em média o dobro da pista comum, isso aumenta consideravelmente o lucro. E se tem gente que paga, por que não vender esses ingressos?


E fica até difícil falar em boicote. Como vou dizer para um super fã que ele deve perder a oportunidade (talvez única) de ver sua banda favorita de pertinho? Eu tenho uma lista de bandas (que conto nos dedos de uma mão) pelas quais eu poderia pagar um ingresso premium. Felizmente, não precisei fazer isso ainda. E depois de muito pensar, acho que cheguei a uma solução que ficaria no meio termo entre a necessidade de lucro do empresário e a possibilidade de compra de um privilégio por fãs mais devotos (ou de maior poder aquisitivo): em shows com pista, o ingresso de pista premium poderia dar direito à preferência na entrada. O portão abriria mais cedo para quem pagou mais caro e um tempo depois para o restante do público. Isso acabaria com o vácuo entre as pistas ao mesmo tempo que daria a oportunidade aos fãs que não tem tanto dinheiro disponível de chegar mais perto do palco. É claro que não seria tão simples, e há chances desse esquema dar errado, ou não ser de grande efetividade. Mas, se alguma produtora quiser testar essa ideia, fica aí a dica. Nem vou cobrar royalties.

Até lá, no entanto, continuo meu boicote pessoal às pistas premium, e na torcida para que minhas bandas favoritas não cobrem o o dobro para que eu possar chegar mais perto delas.

******

Nota: a ideia que sugeri ao final do texto acabou sendo implementada no último show que o Muse fez no Brasil, em 2015. Quem pagasse uma taxa extra poderia entrar uma hora antes dos portões abrirem para o público geral. Mais justo que a pista premium na minha opinião. Entretanto, a ideia não deve ter funcionado do ponto de vista de negócios, pois não vi fazerem isso em nenhum outro show depois desse.


Comentários

  1. Isso só existe no Brasil, país de ladrão.
    Deveria ser proibido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não. É uma prática comum em outros países também. Chegam a dividir em até três tipos de pista.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…