Pular para o conteúdo principal

Você já parou pra pensar em quanto dinheiro você gasta pra acessar o Facebook, Instagram e outras redes sociais?

O mês inteiro eu fico brigando contra meu pacote de dados no celular, esperando que ele não acabe antes da renovação. Acompanho quanto cada aplicativo consome, utilizo recursos de economia e ainda assim costumo chegar perto do limite sempre. Uma coisa que aprendi desde que contratei meu primeiro pacote de dados de celular de 10MB (isso mesmo, dez megabytes) há mais de uma década é que independentemente do limite de dados que eu tiver disponível, eu sempre vou consumi-lo.


Nos últimos meses, gastei em média 50% do meu pacote de dados apenas com Facebook e Instagram. Como o pacote custa 50 reais, o gasto com dados para utilização apenas dessas duas redes fica metade disso: 25 reais por mês, ou 300 reais por ano, quase um real por dia.

Isso mesmo, 300 reais por ano.

Note que esse valor se refere apenas ao pacote de dados de celular. Há inúmeros outros custos indiretos como energia elétrica, assinatura de internet residencial para utilização wi-fi e o próprio custo do smartphone.

No entanto, não vale a pena considerá-los nessa conta por três fatores:

  • o consumo de energia elétrica para carregar o telefone representa pouco na conta de luz; 
  • a escolha de contratação de internet residencial é baseada na velocidade de transferência de dados e esse é um fator que é pouco exigido pelas redes sociais se comparado a outros serviços como Netflix e Youtube;
  • a compra de um smartphone quase nunca é baseada no seu desempenho em redes sociais, pois elas utilizam aplicativos que, em geral, funcionam bem em qualquer aparelho.




Fazer essa conta, num primeiro momento, não deve mudar a minha forma de agir. Não vou deixar de usar as redes sociais no celular nem gastar esse dinheiro com outra coisa. Mas tenho a consciência de quanto isso está me custando.

No fundo, é como se eu tivesse pagando por um serviço, assim como pago pelo Netflix, Social Comics, Xbox Live ou Google Play Music. Acredito que a tendência do mercado é assinarmos cada vez mais serviços digitais pagos, e vai chegar um momento em que não poderemos ter todos: nem todos têm tempo hábil pra usar tudo nem dinheiro suficiente pra pagar cada um deles. Nessa hora, escolhas serão feitas.

De qualquer forma, se tivermos que fazer alguma priorização de conteúdo pago a ser consumido na internet, tenho certeza que a maioria vai escolher as redes sociais. Pode ser o Facebook, Instagram, Snapchat ou a rede social popular do momento. Na prática, já escolhemos isso.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…