Pular para o conteúdo principal

Ranking de relevância de redes sociais



Tenho frequentemente a sensação de que uma parte significativa do conteúdo que vejo nas minhas timelines nas redes sociais é irrelevante pra mim. Embora os algoritmos que definem o que vai ser mostrado estejam em constante evolução, eles ainda estão longe de um nível de acerto que me deixe plenamente satisfeito.

Pra transformar essa minha sensação em números, resolvi fazer um experimento simplificado isolado, sem relevância estatística, avaliando minhas timelines. Basicamente, observei as últimas 100 publicações de cada uma e contei quantas delas eu gostei de ter visto e considerei relevantes pra mim. O resultado eu compartilho com vocês a seguir, do menor para o maior em pontos percentuais.

Facebook - 33 pontos
Quanto mais gente, mais difícil de filtrar. Eu até tento parar de seguir o que não me interessa, mas o problema é que mesmo as pessoas e páginas que quero acompanhar postam conteúdo irrelevante em alguns momentos. Essa pontuação significa que, na prática, apenas uma em cada três publicações me interessa.

LinkedIn - 40 pontos
O LinkedIn é uma ferramenta que não faz parte da minha rotina, mas quando acesso, costumo encontrar coisas que me interessam. No entanto, por maior que seja minha rede (em número de contatos só fica abaixo do Facebook), os usuários não são muito ativos. Assim, não há tanto conteúdo para explorar.

Twitter - 60 pontos
O Twitter tem a vantagem de ser mais controlável pelo usuário que o Facebook - por mais que ele destaque algumas postagens, ele nunca vai esconder aquilo que escolhi seguir. Em termos de relevância, tem quase o dobro de pontos do Facebook - três a cada cinco publicações me interessam.

Instagram - 73 pontos
Foi um resultado que me surpreendeu. Por ser uma rede que consome uma grande quantidade de dados, não a acesso tão constantemente. Dada a pontuação obtida, percebo que construí uma timeline interessante. Vale destacar que ignorei o Stories nessa conta. Não tenho o costume de usar esse recurso.

Google Now - 92 pontos
Não dá pra chamar o Google Now (um recurso dos telefones Android, não confundir com o Google+) de rede social, mas ele possui uma timeline que é a mais relevante no meu dia. Esse fato é bastante curioso, pois quando o Now foi lançado, eu achava que era um recurso fútil e em muitos momentos irritante. No entanto, o algoritmo foi evoluindo a tal ponto que hoje quase tudo que aparece no Google Now me interessa. Temos um campeão.



Em um pensamento simplista, poderíamos considerar se eu escolhesse ficar só com o Google Now eu eu aproveitaria mais o meu tempo no smartphone e não veria tanto conteúdo irrelevante. No entanto, cada ferramenta tem suas peculiaridades e diferenciais.

O grande diferencial do Facebook são os grupos que participo. Eles estão longe de serem tão interessantes quanto os grupos do saudoso Orkut, mas ainda assim são úteis e divertidos.

O LinkedIn tem um viés profissional. É interessante para ler textos relacionados com meu trabalho e para acompanhar a trajetória profissional de meus conhecidos.

O Twitter é uma ótima fonte de humor - tanto é que boa parte dos conteúdos que se popularizam no Facebook e WhatsApp são recortes de tela do Twitter. Além disso, é uma ótima ferramenta para acompanhar eventos no momento em que estão acontecendo.

A importância do Instagram está no lado social - é um lugar legal para acompanhar a vida de amigos e de pessoas públicas. Gosto também de ver fotos artísticas, de produtos que me interesso e desenhos profissionais.

O Google Now é uma ótima fonte de informação - só de abrir a timeline consigo ter a noção das principais notícias sobre os assuntos que mais me interessam. Além disso ele mostra dados importantes para o meu dia como o trânsito para os lugares que costumo ir, o rastreamento de compras que fiz pela internet e os lançamentos musicais e cinematográficos.

É claro que cada plataforma tem inúmeras outras aplicações, mas procurei destacar apenas as que considero que são grandes diferenciais em relação às outras.

Pretendo repetir esse experimento daqui a alguns meses, comparar os resultados e verificar qual algoritmo teve melhor evolução no período. Afinal, acessar conteúdo irrelevante acaba sendo uma grande perda de tempo. E meu tempo vale mais que barras de ouro (que valem mais que dinheiro)!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…