Pular para o conteúdo principal

Dez quadrinhos imperdíveis para você ler Social Comics

Há dois anos, fiz uma assinatura do Social Comics, serviço de streaming de quadrinhos brasileiro que faz parte do Omelete Group. O funcionamento é semelhante ao da Netflix: você paga uma assinatura mensal e tem acesso a todo o acervo da plataforma, repleto de quadrinhos de diversas editoras, independentes, traduções exclusivas e produções originais. O custo de R$19,90 mensais é bem razoável tendo em mente o quanto eu gastaria se comprasse cada um dos quadrinhos que li desde que virei assinante.

Até o momento, li 293 edições na plataforma, o que dá uma média próxima a 12 revistas por mês. Como o acervo é composto por milhares de edições e cresce em uma velocidade maior que consigo acompanhar, provavelmente ainda terei muito o que aproveitar.

Dentre os quadrinhos que li, destaquei dez edições que por si só compensam uma assinatura. Não estou ganhando um centavo por essa indicação (mas se quiserem me patrocinar, eu aceito), só achei que valia pena divulgar o serviço. Uma dica: os primeiros 14 dias são gratuitos, então é possível fazer uma assinatura de teste para conhecer melhor a plataforma.


A gigantesca barba do mal, de Stephen Collins
O que me chamou a atenção nesse título foi o selo "Um Best Seller do New York Times". A história é uma fábula que te faz pensar no excesso de padrões da sociedade e beira o surrealismo. É uma HQ longa, mas com a leitura muito fluida. E não virou um best seller à toa: realmente é fabulosa.


Gen - Pés Descalços, de Keiji Nakazawa
Publicada originalmente nos anos 70, Gen é a impressionante história de sobrevivência de um garoto e sua família após o lançamento da bomba atômica em Hiroshima. Repleta de referências históricas e recomendadíssima não só para o uso em sala de aula, mas também para refletirmos sobre a história do mundo. Difícil me lembrar de uma leitura tão triste quanto essa, principalmente tendo em mente que boa parte do que está lá é real.


Mayara & Annabelle, de Pablo Casado, Talles Rodrigues e Brendda Lima
Mayara e Annabelle são duas funcionárias públicas que são funcionárias públicas e trabalham na Secretaria de Atividades Fora do Comum do Ceará. Essa secretaria é responsável por assuntos que ficariam a cargo do Arquivo X, se fosse no FBI. Vale pelo humor e pelos contratempos do serviço público.


O Girassol e a Lua, de Fábio Moon e Gabriel Bá
É a primeira história longa dos quadrinistas brasileiros mais premiados da atualidade. Foi publicada originalmente na forma de fanzine e está completando 20 anos de seu lançamento original. Recomendado para quem gosta de histórias de relacionamentos. Atualmente, a edição impressa está esgotada.


Combo Rangers - Somos Heróis, de Fábio Yabu e Michel Borges
Combo Rangers é uma série brasileira que surgiu como quadrinho digital e chegou a ter edições em bancas no começo do século (boa parte delas, está disponível no Social Comics). Somos Heróis é uma graphic novel que foi publicada após muitos anos de hiato e traz uma bela lição de heroísmo. Embora o traço pareça infantil, certamente irá agradar adultos que cresceram acreditando em heróis.


Deslocamento - Um diário de viagem, de Lucy Knisley
História autobiográfica sobre uma viagem que uma jovem fez com seus avós. De sensibilidade rara, ajuda a refletir sobre os conflitos de gerações que todos nós passamos. Emocionante.


Macanudo de Liniers
Livro de tiras do argentino Liniers. Embora não tenha personagens fixos, algumas figuras aparecem com frequência. Traz um humor ácido, satírico, na maioria das vezes sobre questões do cotidiano. É uma leitura leve e rápida, mas que pode te levar a horas de reflexão.


Estranhos no Paraíso, de Terry Moore
HQ que foi um sucesso nos anos 90 e começo dos anos 2000 que conta a história de um triângulo amoroso de duas amigas que dividem um apartamento e um rapaz. Chegou a ser publicada por várias editoras no Brasil, mas nunca chegou ao seu final. O Social Comics já disponibilizou as 11 primeiras edições (de um total de 90).


Magic The Gathering - Theros, de J. Ciaramella, J. Lafuente e M. Coccolo
Série que narra os acontecimentos do bloco Theros, do jogo de cartas colecionáveis mais popular do mundo. Embora não seja necessário conhecer o jogo para acompanhar a história, a HQ é voltada pra iniciados no universo de Magic e é repleta referências.

Bear, de Bianca Pinheiro
É a jornada de uma garotinha e um amigo urso que se perdeu de seus pais. Sua jornada é tão surreal quanto divertida. Por ter sido publicada originalmente em livros muito grandes (32x19 cm), é recomendado ler em tela grande ou utilizando o zoom com regularidade para apreciar todos os detalhes dos desenhos.

Visite o Social Comics aqui.

P.S.: Gostei tanto do Social Comics que acabei citando a plataforma no TCC que escrevi na pós-graduação que fiz em Comunicação e Jornalismo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…