Pular para o conteúdo principal

O brasileiro quer se vacinar contra a COVID-19. Ainda bem.

 O Brasil atingiu uma marca importante no dia 12 de agosto de 2021: de acordo com os dados compilados pelo Poder 360, o país ultrapassou os Estados Unidos em porcentagem de vacinados com a primeira dose da vacina contra a COVID-19. É um índice que surpreende não só por estarmos na frente de um país onde sobram as vacinas estão sobrando e o governo chega a incentivar financeiramente as pessoas a vacinarem, mas também porque havia indícios que a hesitação vacinal no Brasil poderia ser um grande problema. Felizmente, a cultura de vacinação brasileira indica ser forte o suficiente para que a população se vacine. Apesar de muitas manifestações contra a vacina (muitas vezes, de forma quase que inacreditável, liderados pelo presidente do Brasil), o que tem ocupado as redes sociais é o apoio à vacinação.

Reprodução: Poder 360

O brasileiro abraçou a vacinação: vacinar-se contra a COVID-19 virou um evento onde as pessoas escolhem cuidadosamente quais roupas vão usar, quais cartazes vão levar, tiram fotos e vídeos para compartilhar com os conhecidos e desconhecidos e manifestam-se em defesa do Sistema Único de Saúde. Uma busca simples pelas hashtags #VacinaSim e #VivaOSUS, nas redes sociais, serve como um bom exemplo do que vemos nas redes e chegam a centenas de milhares de publicações e milhões de visualizações. Pra facilitar a busca, compilamos os links abaixo.

Twitter: #VacinaSim #VivaOSUS

Facebook: #VacinaSim #VivaOSUS

Instagram: #VacinaSim #VivaOSUS

TikTok: #VacinaSim #VivaOSUS

Ainda não mensuramos o impacto dessa forte presença pró-vacina nas redes sociais, mas é inegável que isso gera um impacto positivo.

Um tweet que foi publicado pelo usuário @_royalewcheese, em tom de brincadeira, buscou entender os motivos do movimento antivacina não ter ganhado força no Brasil a ponto de atrapalhar a imunização dos brasileiros. Apesar da ironia típica do Twitter, são questões a se pensar.

Reprodução: Twitter

A cultura de vacinação no Brasil certamente tem em um de seus pilares a gratuidade. Fico até surpreso de não ter encontrado ainda algum relato de alguém que quis levar o ditado “De graça, até injeção na testa” até o extremo e se imunizar pela fronte. O fato da vacina ser custeada pelo SUS é um fator fundamental para que a população se vacine, especialmente em um país tão desigual quanto o Brasil. O “fazer qualquer coisa que tá todo mundo fazendo” reflete um pouco do nosso senso de sociedade. E as manifestações nas redes sociais podem até mesmo gerar o FOMO (“fear of missing out”, ou “medo de perder”, em uma tradução livre) e impulsionar a vacinação.

Há décadas temos campanhas intensas (e efetivas) de vacinação no país. Foi com a vacina que erradicamos, entre outras doenças, a varíola, pólio e o sarampo (essa última voltou a ter casos no Brasil depois de uma queda de cobertura vacinal).

No contexto da COVID-19, Há a cada dia evidências mais claras de que as vacinas funcionam. Nos EUA, por exemplo, o número de mortes de não vacinados chegou a representar 99,5% dos mortos pela COVID-19. Fala-se até mesmo em uma pandemia entre não vacinados.

Mas a intenção de se vacinar chegou a variar significativamente durante a pandemia. O Datafolha acompanhou a intenção dos brasileiros se vacinarem e a mudança ao longo do tempo foi significativa. Em dezembro de 2020, quando a vacinação contra a COVID-19 ainda não tinha se iniciado, a porcentagem de brasileiros que tinham a intenção de se vacinar atingiu seu menor índice: 73%. Em julho de 2021, no entanto, o valor recorde de 94% de intenção de se vacinar foi alcançado.

Reprodução: Folha de S. Paulo

A retomada da confiança na vacinação (confiança que, apesar de abalada, nunca foi perdida) é essencial para sairmos da pandemia e parece que estamos nesse rumo.

O que podemos concluir é que o brasileiro quer sim, se vacinar. A busca pelo charlatanismo da ivermectina e da cloroquina contra a COVID-19 tem diminuído e o discurso a favor de tratamentos sem eficácia arrefeceu. Declarações absurdas como a proferida por Jair Bolsonaro de que “menos da metade vai tomar” a vacina soam ainda mais absurdas.

Buscas por ivermectina no Google ao longo do tempo (Google Trends)

Buscas por Cloroquina no Google ao longo do tempo (Google Trends)

E os índices de vacinação estão subindo. No entanto, o caminho para a imunização dos brasileiros ainda é longo. O número de 73,9% dos brasileiros adultos vacinados com a primeira dose é animador, mas a porcentagem de pessoas totalmente vacinadas (2 doses ou 1 dose de vacina de dose única) é 22,7%. Para muitas pessoas, a data da segunda dose ainda chegou, mas existe o problema das pessoas que poderiam ter tomado a segunda dose de acordo com o calendário de vacinação e ainda não fizeram. De acordo com o ministro da saúde Marcelo Queiroga, em 10 de agosto de 2021 esse número era cerca de 7 milhões de pessoas. Além disso, há estudos sobre a possível aplicação de uma terceira dose de vacina como reforço. E mais: falamos de adultos vacinados: jovens e crianças também podem ser infectados, desenvolver e transmitir a doença, e precisam ser imunizados. Se considerarmos a população total, esses números caem.

O faltava era a vacina para todos. Ainda falta, mas ela está chegando e os calendários de vacinação estão sendo atualizados de forma a adiantar as doses. Quando chegar a sua vez se vacine. Eu fiz a minha parte: por mim, por você, pelos brasileiros e por todas as pessoas do mundo. A vacina é um ato coletivo e só com a imunização da população conseguiremos sair da pandemia.

É claro que eu também quis relembrar o meu dia de vacinação como um grande evento.

Texto também publicado no meu perfil no Medium.

Comentários

  1. A depender exclusivamente da população, a vacinação só não está em índices maiores por conta dos "sommeliers" de vacina e por ser duas doses e ocorrer a falta do cidadão para a segunda dose.
    Ademais, por outro lado, até tem a turma que estão em busca da terceira dose tentando burlar os registros da vacinação e até entrando com pedidos judiciais para tentar obter a dose extra.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

(Re)instalando o Android 4.1.2 no Samsung Galaxy S3

Atualizado em 18 de maio de 2013 No começo de fevereiro, Samsung Brasil fez a alegria dos proprietários do Galaxy S3 ao liberar mais uma atualização do Android para o aparelho. Conhecida como Premium Suite, a nova versão do firmware tem o Android Jelly Bean 4.1.2 com diversas customizações da fabricante coreana. Acontece que alguns aparelhos passaram a apresentar inúmeros problemas após essa atualização (o meu entrou nessa lista). Procurei em diversos fóruns e sites a solução, e acabei não encontrando. Apenas constatei que eu não era o único que estava angustiado. Entre os problemas apresentados após a atualização, estão: Telefone não carrega a bateria ao plugar na tomada; Aparelho desliga sozinho; Aplicativos travam, forçando o reinício do sistema operacional; Sobreaquecimento; Telefone não recebe dados conectado ao Wi-Fi; Lentidão extrema; Interface TouchWiz sem fluidez; Consumo excessivo de energia. Meu telefone apresentou quase todos esses sintomas. Isso é meio

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos? Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada.  A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo. Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos. Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira m

Por quê o Brasil precisa de Luan Santana?

Até a reportagem do Fantástico desse final de semana, eu não tinha noção do tamanho do sucesso de Luan Santana. Sabia que o cantor é uma presença constante nas paradas da Billboard , tem vendido muitos discos e seus shows são sempre lotados. Mas entre o reconhecido sucesso comercial e o posto de ídolo número 1 da juventude brasileira há um abismo. Que tudo indica que Luan atravessou. No cenário da música sertaneja, dificilmente uma dupla (veja só, são sempre duplas) se mantém no topo das paradas por muito tempo. O estilo de cada grupo costuma ser sempre o mesmo a cada novo lançamento. Eles não perdem a base de fãs, mas o público precisa de novidades, e de tempos em tempos elege um novo ídolo. Nos últimos anos, o papel de queridinhos do Brasil já foi de César Menotti & Fabiano, Victor e Léo, Jorge & Mateus. E agora é de Luan Santana. No entanto, ele apareceu como uma estrela diferente, e virou ídolo adolescente – ele nasceu nos anos 90! E agora compete em popularidade